nepp

QUESTÃO DE OPORTUNIDADE

Estreiou, na ultima quinta feira do mês de abril, o curta metragem intitulado “Questão de Oportunidade” produzido e roteirizado pela pesquisadora e vice-coordenadora do Núcleo de Estudos de Políticas Púbicas da Unicamp (NEPP/Unicamp), Ana Medeiros Fonseca e direção de Verônica Guedes.

“O roteiro para o filme” diz Ana Fonseca “surgiu no segundo semestre do ano passado, quando fui convidada para fazer uma palestra sobre inclusão social no campus da Universidade Federal do Ceará, na cidade de Sobral”. Ana Fonseca que é cearense, nascida em Fortaleza, afirma que finda a palestra sobre inclusão social “fui cercada por um grupo de alunos que fizeram questão de relatar que suas vidas mudaram a partir do surgimento dos programas de inclusão social surgidos nas últimas duas décadas, e em especial ao Bolsa Família”.

Os estudantes relataram a Ana que todos eles eram os primeiros de suas famílias a estudar numa universidade e, muito melhor, na melhor universidade do Ceará, da Universidade Federal, campus de Sobral. Disseram ainda que só puderam sonhar em estudar em uma universidade pública graças aos programas de inclusão social principalmente a ampliação do ensino público em Sobral com o campus da UFC, com o Instituto Federal de Educação, além das cotas, do Auxilio Moradia e isenção de taxas no restaurante universitário e do Bolsa Família. As famílias de todos os jovens foram titulares   do Programa Bolsa-Família.

“Ao voltar para Campinas”, diz Ana Fonseca, “fiquei pensando no que aqueles jovens me relataram sobre a mudança que ocorreu nas suas vidas pessoais e na das suas famílias, após conseguirem uma vaga para estudar na universidade pública. Essas questões não saiam da minha cabeça durante vários dias.” “E como”, continua Ana, “minha vida profissional sempre esteve ligada diretamente aos programas de inclusão social e, em especial, ao Bolsa Família que ajudei a organizar, decidi escrever o roteiro para um filme de curta metragem que destacasse como os programas de inclusão social  mudaram a vida e o paradigma de toda uma geração de jovens filhos de beneficiários desse programas”.

Com um orçamento modestíssimo e com a ajuda de um grupo de jovens cineastas cearenses, e com direção esplendida de Verônica Guedes, as gravações ocorreram no inicio  de 2017 na cidade de Sobral e cidades circunvizinhas de onde vieram dois  dos cinco jovens retratados nesse curta metragem. 

O filme tem 18 minutos e traz o depoimento de cinco jovens: Lucas Alves de Souza; Juliana Maria do Nascimento Mota; Luiz Gomes da Silva Neto; Pedro Igor Frota Viana do Nascimento e; Fernanda Maria Martins Souza. Além do depoimento desses jovens atores sociais o filme traz, em imagens belíssimas, entrevistas com familiares no interior de suas casas, algumas delas no agreste do sertão cearense. A trilha sonora é primorosa e que dá o tom regional ao curta é do grupo Rabequeiros de Pernambuco.